26.4.06

VSC (3) - SCE (0)

O Vitória SC venceu o 2º jogo do play-off por 3-0.
Á semelhança do primeiro jogo, a quantidade de erros cometidos por ambas as equipas foi muito grande. Neste jogo, contrariamente ao que tinha acontecido no jogo anterior, o Vitória foi a equipa que conseguiu estabelecer uma relação mais equilibrada entre o risco e o erro.
A equipa da casa esteve sempre mais equilibrada no jogo, mesmo no 2º set (o mais equilibrado e bem disputado do jogo), onde o SC Espinho poderia ter ganho.
A equipa do Vitória conseguiu servir de forma agressiva e, colocando problemas na distribuição do Miguel Maia, organizou de forma conveniente o seu bloco. Neste procedimento, o central Malveiro foi o melhor no campo.
No SC Espinho o central Estiva voltou a falhar no ataque e no boco e os ponteiros da equipa foram pouco efectivos. Nem a estreia do reforço de última hora, Carlos Silveira, foi solução.
O Vitória foi a equipa mais esclarecida e, portanto, justifica por inteiro o resultado do jogo.
Os melhores em campo foram os passadores. Miguel Maia e Pedro Azenha dão "show" de bola por onde passam.
Na A2 o Machico sagrou-se ontem campeão nacional ao vencer o Fiães por 3-2 no 5º jogo do play-off.
Na A1 feminina o Sports Madeira está a uma vitória do titulo, depois da vitória caseira frenta ao Trofa.

25.4.06

2º Jogo do Play-Off

Hoje às 17,00 horas, no pavilhão do Vitória SC, joga-se o 2º jogo do play-off do título nacional. Será, seguramente, um grande jogo dentro do campo e, também, nas bancadas. Quem já jogou ou viu jogar o Vitória no seu recinto sabe que o ambiente é escaldante.
A expectativa é grande, nomeadamente, para saber como reagirá o SC Espinho ao impeto, esperado, do Vitória, ferido pela derrota do passado sábado.
Será hoje que o Carlos Silveira se vai estrear no seis do SC Espinho? O Allan Cocato estará dísponível para ajudar a sua equipa?
Enfim, esperemos para ver o que se vai passar.

23.4.06

Começou o Play-Off

Iniciou-se ontem o primeiro jogo do play-off que decidirá a atribuição do titulo de campeão nacional 2005/2006 (se o recurso do SL Benfica não for considerado procedente).
Neste primeiro jogo o SC Espinho recebeu e venceu o Vitória SC por 3-1 (25/23, 22/25, 25/22 e 25/20), num pavilhão completamente cheio.
O jogo, muito emotivo mas nem sempre bem jogado, caracterizou-se pelo equilíbrio constante no marcador. Apenas no 4º set, a diferença entre as duas equipas se situou acima dos três pontos a partir do 2º tempo técnico.
O SC Espinho controlou sempre o marcador no 1º e no 4º set, mantendo-se sempre na frente. Esta vantagem deveu-se, em muito, à prestação da equipa no serviço e no bloco. Com um serviço tácticamente bem orientado, em alguns casos associado a grande violência (no caso do Miguel Maia), a equipa do SC Espinho colocou em enorme desconforto a construção do ataque da equipa do vitória, tornando-o mais previsivel e menos rápido, retirando daí grande vantagem na organização do bloco. Nesta acção de jogo, os centrais da equipa (Kibinho e Estiva - apareceu melhor que em jogos anteriores) estiveram bom plano.
No 2º set a equipa do Vitória SC entrou melhor e controlou sempre o marcador. Ultrapassou a ansiedade inicial e aproveitou a desconcentração na recepção do adversário (nomeadamente João Brenha e o libero Paulo Fonseca), para vencer com justiça.
No 3º set, o resultado manteve-se equilibrado, alternando o comando no marcador. Mas um erro do 1º árbitro aos 19/20 (um toque no bloco não assinalado a favor do Vitória) deu o empate e permitiu à equipa do SC Espinho, com o serviço eficaz do Miguel Maia, ganhar uma vantagem de 3 pontos e ditar o vencedor do set.
Os árbitros erraram, pelo menos uma vez, de forma grosseira (o bloco fora do Gaspar assinalado a favor da equipa do Espinho). A equipa do SC Espinho alegou, também, uma falta em que a bola terá contactado com o tecto do recinto de jogo. No local não nos pareceu.
Dois factos dignos de registo:
1º A forma civilizada com que as duas claques apoiaram as suas equipas.
2º A presença do presidente da Federação Portuguesa de Voleibol no pavilhão (coisa rara diga-se de passagem).
Apuramento dos 3º e 4º classificados
A equipa do SL Benfica, como era esperado, não compareceu no recinto de jogo para a disputa do 3º/4º lugares e, assim, o Esmoriz GC é, automáticamente, o 3º classificado.
Play-Off do título da divisão A2
A disputa do título nacional e, consequentemente, o apuramento da equipa que irá disputar divisião A1 para a próxima época, está equilibrada. O CD Fiães empatou, ontem, o play-off ao vencer a equipa do Machico por 3-2.
O 5º e decisivo jogo disputar-se-á na Madeira no próximo dia 25 de Abril às 18,00 horas.

19.4.06

Play-Off 3º e 4º lugares

O 1º jogo do play-off de apuramento dos 3º e 4º classificados, marcado para o próximo sabado, no Pavilhão nº 2 do complexo desporivo do estádio da luz, vai ser realizado no pavilhão do Esmoriz GC, a pedido do SL Benfica.
Ao que foi possível saber a equipa do SL Benfica não tenciona participar no jogo uma vez que recorreu da decisão da Comissão Disciplinar da FPV. Se isto acontecer, o play-off de apuramento dos 3º e 4º classificados fica resolvido, uma vez que o regulamento prevê que a equipa que fizer falta de comparência perde o automáticamente o play-off.
Entretanto, ontem o Vice-Presidente do clube das àguias deu uma conferência de imprenssa sobre a decisão da Comissão Disciplinar, repudiando a decisão e os termos em que assenta a decisão, reafirmando o firme propósito de "ir até às últimas consequências" para repôr a verdade desportiva.

18.4.06

O SLB recorreu da decisão do CD e pede o adiamento da 1ª jornada do play-off.
A FPV anunciou a transmissão televisiva, do 2º jogo do play-off entre o VSC e o SCE, no próximo dia 15 de Abril às 17,00 horas, na Sportv.

17.4.06

Descida de divisão

A Associação dos Antigos Alunos (AAA) dos Açores desceu directamente à divisão A2, após a derrota de sábado, em Ponta Delgada, frente à AA de Coimbra por 3-1.
A equipa açoreana, rechedada de bons jogadores, a grande maioria estrangeiros, comandada pelo ex-adjunto de Juan Dias e seleccionador nacional da equipa principal feminina, termina a época má que realizou da pior forma possível.

De acordo com este resultado, a equipa da AA de Coimbra junta-se ao GC Vilacondense e AA de Espinho, formando o conjunto das equipas da divisão A1 que irão disputar, conjuntamente com as equipas apuradas da divisão A2, o Play-Off de promoção.

13.4.06

Calendário de Jogos

Os jogos do play-off irão decorrer nos dias 22, 25 e 29 de Abril às 17,00 horas. No caso da final (disputada à melhor de 5 jogos) se houver necessidade as datas previstas são 3 de Maio (4ª Feira, às 21,30) e 6 ou 7 de Maio.
Como já tinhamos referido em posts anteriores, o calendário não dá tréguas às equipas e aos jogadores.
A acrescentar a isto, esta final, à suspeição não foge, pode estar a ser disputada por equipas em que uma delas (a do VSC, sem culpa no processo, diga-se em abono da verdade) o faz por erro técnico de arbitragem não punido pelo Conselho Disciplinar da FPV e, debaixo de um possível recurso do SLB.

Acordão do CD

O Conselho de Disciplina da FPV, anunciou, ontem, a improcedência do protesto apresentado pelo SLB sobre os factos ocorridos no 2º jogo das meias finais do play-off, frente ao VSC.
Parte do acordão é hoje publicado em "www.ojogo.pt/22-51/artigo545270.htm":
"Ao não assinar (leia-se recusar assinar) o boletim, o capitão da equipa [do Benfica] deixou de praticar um acto formalmente constitutivo do direito de protestar, quedando-se, desse modo, deserto o protesto que, na altura devida, anunciara. Na verdade, é a ilação que se retira do disposto na Regra 5.1.3.1.que [...] claramente considera que o protesto apresentado no momento dos factos não existe se não for mencionado no final do encontro no boletim de jogo, necessariamente subscrito pelo capitão da equipa que protestou".
Para quem desconhece, a regra 5.1.3.1 do regulamento internacional (www.fivb.ch/EN/Volleyball/Rules/FIVB.2005.VB.RulesOfTheGame-new.pdf) diz o seguinte:
5.1.3 NO FINAL DO JOGO o capitão de equipa:
5.1.3.1. cumprimenta (agradece) os árbitros e assina o boletim de jogo a fim de ratificar o resultado;
5.1.3.2 se ele tiver notificado em tempo útil ao primeiro árbitro, ele pode confirmar e registar no boletim de jogo uma reclamação oficial concernante à aplicação ou interpretação das regras pelo àrbitro.
A interpretação do Conselho de Disciplina é legitima, mas, no nosso entender, abusiva e prejudica, clara e inequivocamente, a verdade desportiva e o SLB.
Em nenhum momento, como se pode constatar pela leitura da regra, é obrigatória a assinatura do capitão de equipa a não ser, como a regra indica, para ratificar o resultado.
Esta ilegitimidade é tanto mais grave, pois não resta outra solução ao SLB senão acatar a decisão, uma vez que ela não é passível de recurso, já que os regulamentos de disciplina da FPV (um pouco distantes de uma democracia participativa) no seu artigo 82 (página 21) diz o seguinte:
As deliberações do Conselho Disciplinar que apliquem quaisquer sansões correspondentes a faltas cometidas em campo, são susceptiveis de recurso, sempre:
a) que apliquem sansões disciplinares individuais que excedam 10 jogos ou semanas de suspensão;
b) que apliquem qualquer sanção económica a indivíduos ou Clubes;
c) que determinem a interdição de qualquer recinto de jogo;
Ora, a sanção que é atribuída ao SLB não cabe em nenhuma das disposições acima referidas e, por isso, sem possibilidade de recurso.
Se esta interpretação for adequada, é grave, prejudica a imagem da modalidade, a verdade desportiva e não honra, em nada, todos aquele que nela se envolvem.

12.4.06

Play-Off Final

O SL Benfica perdeu o protesto apresentado à FPV, na sequência de um erro de arbitragem no 2º jogo das meias finais.
Assim, o play-off final vai ser disputado entre o SC Espinho e o Vitória SC.
Hoje, pelas 19,00 horas decorrerá, na sede da FPV uma reunião entre os clubes para a definição do calendário de jogos.
X

11.4.06

Fantástico

10.4.06

Play-Off

Após a suspensão do play-off final (motivado pelo protesto do SLB) era suposto que hoje (2ª Feira) houvesse decisões da comissão de disciplina.
Face ao planeamento dos trabalhos da Selecção Nacional (aquilo que mais importa à Federação)começa a ser evidente que os jogos se irão realizar a um ritmo alucinante (dois por semana).
Quem sai a perder são os adeptos da modalidade, os clubes e os atletas que não terão tempo de recuperar do esforço e de preparar convenientemente os jogos com prejuizo óbvio para os espectadores.
Quem conhece o Voleibol Nacional e os seus orgãos dirigentes sabe, de certeza, que a selecção nacional não sairá prejudicada.
Quem sairá?
Veremos o que acontece.

3.1.06

Humor

Saiu a semana passada, num jornal local (Ovar), esta coisa que tem muita piada.

30.12.05

Luís Resende

Entrevista ao jornal "Defesa de Espinho" de 29 de Dezembro de 2005


Continuação

Uma excelente entrevista. É uma pena que não tenha sido publicada num jornal nacional. Uma grande lição de humildade e uma excelente visão do presente e do futuro.
Parabéns.

26.12.05

Viacheslav PLATONOV

Morreu, aos 66 anos vitima de doença prolongada, um dos maiores treinadores do mundo de sempre, VIACHESLAV PLATONOV.
Jogou em vários clubes da Russia entre 1954 e 1967.
Após o final da sua carreira, como jogador, formou-se em Educação Física no Instituto de Pedagogia de Leninegrado. Foi treinador de dois clubes russos - Spartak e Automobilist - entre 1967 e 1989. Foi campeão da Russia entre 1983 e 1989 como treinador do Automobilist.
Começou a sua carreira nas selecções do seu país treinando a selecção Junior, sagrando-se campeão Europeu nos anos de 1971, 1973 e 1975.
Foi treinador da selecção principal da exURSS em três períodos diferentes - 1977 a 1985; 1990 a 1992 e 1995 a 1997 - conquistando os mais importantes titulos do mundo.
Venceu uma Olimpíada (1980), dois Campeonatos do Mundo (1978 e 1982), três World Cup (1977, 1981 e 1991) e cinco Campeonatos da Europa (1977, 1981, 1983, 1985 e 1991).
Foi considerado o melhor treinador do mundo por duas vezes - 1981 e 1991 - e recebeu uma menção especial como melhor treinador de equipas masculinas do século XX.

6.12.05

Selecção Nacional de Cadetes Femininos


Ai está uma nova equipa técnica da selecção nacional. Curiosamentente, um treinador brasileiro a ocupar o lugar. Uma novidade das selecções jovens.
O actual treinador da principal equipa masculina do Vistória SC, com um longo percurso nas selecções mais jovens do país irmão é o novo seleccionador. Ninguém duvida da sua competência para desempenhar a função. Mas a questão pode e deve colocar-se, será que nenhum treinador português tem competência para tal? Não será altura de dar oportunidade à gente com percurso de sucesso no voleibol nacional e, que nunca teve essa oportunidade?
Às vezes acredito que falar a lingua portuguesa com sotaque pode compensar. Faz-se entender facilmente e o preço a pagar é mais elevado e, por isso, melhor.

2.12.05

Voltei

Depois de algum tempo afastado das lides do meu blog decidi investir novamente algum tempo neste cantinho da minha vida.
E vou começar pela noticia do regresso do ex seleccionador Nacional a Cuba.
Nada que não estivesse dentro das nossas expectativas, aliás, como tinhamos referido num dos posts em que falavamos da selecção.
Boa viagem e boa sorte.

A segunda noticia é a contratação de um novo seleccionador. Segundo as más linguas, vem do Brazil, chama-se José Santos e é treinador adjunto de Bernardo Resende na selecção do seu país.

15.9.05

O DESPORTO TEM DESTAS COISAS

Hoje penso numa "guerra" que todos os profissionais do desporto e actividade física, particularmente os que estão ligados às crianças e jovens, enfrentam diariamente ano após ano.
Trata-se, muito simplesmente, de convencer os pais a deixarem os seus filhotes praticarem uma qualquer actividade física e/ou deportiva.
É claro que os pais querem o melhor para os filhos e, o melhor no conceito deles, é a Matemática, o Inglês, a Hitória, a Fisica-Quimica, etc.
Quando o professor ou treinador recebe (quando recebe) os meninos, o horário que lhes cabe é tudo menos indicado para que não perturbe a vida diária da familia. Normalmente, só estão disponíveis depois das outras actividades todas.
Nós, que trabalhamos nesta área, sabemos que o desporto não é a coisa mais importante do mundo. Já dizia, à alguns anos atrás, esse grande professor Jorge Olimpio Bento, que o desporto é a coisa mais importante das coisas secundárias.
Mas, eis que (novidade!!!) uma equipa da Universidade de Ilinois, nos Estados Unidos (quem "havera" de ser), levou a efeito um estudo que sugere que o exercício físico não é só essencial em termos de saúde mas, também, ajuda as crianças a ter melhor rendimento escolar.
Será desta que os pais vão perceber, definitivamente, que o exercício físico tem que ser um pouco mais do que o mais importante das coisas secundárias?
Um pequeno artigo sobre este assunto na Pública de 04 de Setembro de 2005.

Não será, também, hora dos pais levantarem o "rabo" do sofà? Hoje mesmo foi publicado um estudo sobre a obesidade abdominal, onde 28% dos portugueses sofre deste mal (www.tsf.pt/online/vida/interior.asp?id_artigo=TSF164035). Será que isto não serve de estimulo?
Se querem o melhor para os filhos, porque não lhes dão o exemplo. É que os filhos de pais que praticam uma actividade física regular, estão mais predispostos para, também eles, praticarem uma actividade.

Pela minha parte fico feliz e, eles também.

13.9.05

PORTUGAL E O EUROPEU

Soube a pouco. Depois dos resultados das últimas participações da nossa equipa nas competições internacionais em que participou, o mínimo que pode dizer-se é: pouco, demasiado pouco.
Foi esta selecção que alcançou o brilhante 8º lugar no último mundial, na Argentina.
Foi esta equipa que derrotou a melhor selecção do mundo (o Brasil) e quase se apurou para a final a quatro desta competição.
Foi esta selecção que derrotou, por 3 vezes consecutivas, a congénere espanhola uma semana antes do europeu se iniciar. A selecção espanhola classificou-se em 4º lugar e Portugal em penúltimo do grupo, ou seja, pior só a Ucrânia.
Foi esta selecção que, nos últimos confrontos, venceu sempre a Polónia (e foram pelo menos 4 nos últimos 4 anos) e, nesta competição perdeu por 3-0 (25-23; 25-18; 25-16).
As entrevistas que li apontaram sempre para questões relacionadas com problemas físicos (cansaço, preparação insuficiente, etc.). Mas, estas são as desculpas de "mau pagador". São as desculpas de quem não sabe ou não quer dizer as verdadeiras razões do insucesso. São as desculpas da incompetência.
Pelo que vi, na televisão, isto não está para gastos, algo mais se passa. Existe instabilidade na equipa. Tem momentos de grande brilhantismo (do melhor que se faz no mundo) para, no momento seguinte, cometer erros infantis, absolutamente incompreensivos.
Vi, também, uma equipa desgarrada sem a chama de outros tempos, capaz de baixar os braços. Comportamento nada normal de grandes jogadores como o João José (um dos melhores blocadores da europa. Foi considerado o melhor blocador do mundo na Argentina e este ano o melhor da Champions League), do Hugo Ribeiro (o melhor defesa e melhor libero deste campeonato Europeu), do Gaspar, etc.
Vi uma equipa sem um modelo de jogo, a jogar com um distribuidor que não treinou com equipa e, deitar por terra tanto trabalho realizado durante os últimos anos e que tanto sucesso nos deu.
No post, aqui publicado, de 02 de Setembro disse que em caso de insucesso o treinador deveria ter um prémio de prestação: o cartão de embarque para Cuba, sem regresso. Vamos ver o que acontece.
O desporto tem esta coisa maravilhosa, cada um dos participantes é avaliado pelo resultado do seu trabalho e, no imediato. Falhou ou marcou.
Quando no desporto se falha muitas vezes, é sinal de que algo não corre bem. É verdade que o "bode" é normalmente o treinador. Não é menos verdade que, no caso da selecção Nacional de Voleibol, os jogadores são práticamente os mesmos.
Por mim vou continuar a viver de alma e coração este mundo do voleibol.
No meu reino diz-se que se vive bem com a derrota mas, com a vitória vive-se muito melhor.
Vamos todos trabalhar para que a vitória nos sorria, já hoje.

FOTO DE UM CAMPEÃO EUROPEU

border="0" />

O grande central italiano Luigi MASTRANGELO


8.9.05

FOTO DO GUERREIRO


Gigante. Um grande abraço.

2.9.05

FOTO DO DIA

VOLEI DE PRAIA
Open da Grécia
Estão presentes as duas duplas portuguesas com maior curriculum internacional: Maia/Brenha e Pedrosa/Rosas.
Depois de terem tentrado directamente para o quadro principal defrontaram-se. Ganhou Pedrosa/Rosas por 2-0 (21-15; 21-19) em 40 minutos,
As duas duplas (só é termina a participação após a 2ª derrota) continuaram em prova. Pedrosa/Rosas defrontaram e perderam por 2-0 com as duplas brasileira Araújo/Magalhães (21-8; 21-19) e russa Brasouk/Arkaev (21-14; 30-28) terminando na 17ª posição.
Maia/Brenha após a derrota do primeiro jogo com a dupla conterrânea venceu os jogos seguintes, ambos por 2-0, frente aos gregos Mourtzios/Knapec (21-10; 21-12) e espanhois Herrera(medalha de prata nos JO da Grécia) /Mesa (21-19; 21-12). A dupla portuguesa irá defrontar, hoje às 15 horas locais (13 em Portugal), a dupla estoniana Kais Kr./Ruul. Se vencer a dupla portuguesa conseguirá a melhor classificassão deste ano.
SELECÇÃO NACIONAL
A equipa nacional voou ontem para Itália para participar pela terceira vez num Campeonato da Europa ( 1948 e 1951).
O selecionador nacional convocou 12 atletas:
N.º Nome Nasc. Altura Posição Clube
1 António Miguel Costa 02.10.84 191 Zona 4 S. C. Espinho
3 Nuno Pinheiro 31.12.84 193 Distribuidor Knack (Bélgica)
4 João Malveiro 08.12.79 200 Central A. A. Alunos
8 Hugo Gaspar 02.09.82 200 Oposto V. Guimarães
11 Éden Sequeira 28.10.80 198 Central A. A. Coimbra
12 João José 07.06.78 195 Central VFB Friedrichshafen
13 André Lopes 12.09.82 193 Zona 4 S. L. Benfica
14 Flávio Cruz 28.08.82 195 Zona 4 V. Guimarães
15 Miguel Maia 23.04.71 181 Distribuidor SC. Espinho
16 Valdir Sequeira 22.11.81 194 Oposto A. A. Coimbra
17 Hugo Ribeiro 15.11.77 180 Libero Esmoriz GC
18 Eurico Peixoto 13.05.81 192 Zona 4 V. Guimarães
Esta convocatória é composta, básicamente, pelos mesmos atletas que estiveram presentes no apuramento para o Mundial (excepção feita ao João José e ao Nuno Pinheiro que por motivos de lesão estiveram ausentes). No entanto, não deixa de ser curiosa a ausência do libero Carlos Teixeira (considerado um simbolo da raça e do empenho da equipa) e da presença, mais uma vez, do distribuidor Miguel Maia (que ainda se encontra na Grécia a disputar o Open de volei de praia).
O objectivo da equipa é ficar no 3º lugar da sua Pool e, assim, assegurar a presença no próximo Europeu (França 2007) (www.ojogo.pt/21-193/artigo494727.htm).
É uma tarefa dificil mas, a sua não concretização seria um duro golpe na confiança no seleccionador nacional.
Depois do insucesso no apuramento para o Mundial, uma fraca prestação no Europeu pode ter um prémio para o treinador: Um bilhete de avião sem regresso até Cuba.
Informações sobre o Europeu em www.eurovolley2005.com

30.8.05

ACONTECIMENTO DA SEMANA
O acontecimento da semana é, sem dúvida, o inicio do Campeonato da Europa na próxima 6ª feira em Itália e Sérvia-Montenegro.
A curiosidade sobre a prestação da selecção nacional é grande. Depois da prestação brilhante na Liga Mundial (discutiu até ao penúltimo jogo a presença na final), e dos resultados menos conseguidos no apuramento para o Campeonato do Mundo do Japão 2006 (excluídos), a expectativa é grande.
A equipa não tem vivido momentos fáceis, devido às lesões que atingiram o central João José (o melhor central português), o distribuídor Muno Pinheiro e, esta semana Hugo Gaspar com pequenas dores e uma gripe.
Todos desejamos tudo de bom para a selecção nacional.
Fica o calendário de jogos:

03.09.2005
18.00
ITA - POR
--
04.09.2005
15.30
POR - CRO
--
05.09.2005
15.30
UKR - POR
07.09.2005
18.00
POR - RUS
--
08.09.2005
15.30
POL - POR
RESULTADOS DA GALA AFRICANA
A equipa nacional que participou na Gala Africana, a convite da Federação Marroquina, terminou, no passado sábado, a sua participação no 2º lugar, após derrota com a selecção de Marrocos. Ficam os resultados:
Portugal-Inglaterra, 3-1
Portugal-Senegal, 3-0
Portugal-Marrocos, 2-3

UMA IMAGEM FANTÁSTICA

29.8.05

Volei de Praia - Campeonato Nacional

Realizou-se este fim de semana a final do campeonato nacional de voleibol de praia em Esposende.
A dupla José Pedrosa / Pedro Rosas foi campeã, mesmo perdendo a final. Porquê? Porque o regulamento diz que se uma das duplas finalistas não for constituída por jogadores portugueses, exclusivamente não pode ser campeã. Esta normativa seria coerente se isto acontecesse também no volei de pavilhão, o que não é verdade. Vemos equipas a serem campeãs nacionais com 5 jogadores brasileiros.
Pedro Rosas / José Pedrosa perderam frente a Rui Oliveira / Maurício Dantas por 2-0 (22-20; 21-12).
No feminino a dupla Ana Freches / Rosa Costa venceram na final Juliana Antunes / Sandra Castro por 2-0 (21-16; 21-18) e são as novas campeãs nacionais.
Parabens aos campeões.
No Voleibol Indor Portugal jogou e ganhou à sua congénere espanhola por 3-2, em jogo de preparação para o campeonato da Europa, que se inicia na próxima 6ª feira na Itália e Sérvia-Montenegro.
Este jogo marcou o regresso do central João José.
Felicidades para a equipa de Portugal.

27.8.05

Open Montreal II


Excelente prestação da dupla portuguesa nesta competição. Miguel e João venceram os noruegueses Kjemperud / Skarlund por 2-0 (21-15; 21-19) em 38 minutos. Esta vitória "obrigou" a dupla portuguesa a continuar em prova. Os adversários que se seguiram foram os austriacos Berger/Dopler, 14º classificados do ranking mundial. A vitória coube aos austriacos, por 2-0 (21-18; 21-18). A equipa portuguesa ficou no 13º lugar, somou mais 120 pontos e arrecadou $4500.
Com estes ponto a dupla Miguel/João está no 41ª posição do ranking mundial com 370 pontos.

26.8.05

Open Montreal

A equipa portuguesa (Miguel / João) regressou à competição após paragem devido à lesão do João no Open de Espinho.
A dupla portuguesa a disputar o Open de Montreal ganhou o primeiro jogo frente aos noruegueses Goranson / Engvik por 2-0 (21-18; 27-25) em 49 minutos. No segundo jogo perdeu frente à dupla brasileira Cunha / Franco por 2-0 (21-16; 22-20) em 46 minutos. O próximo jogo neste Open será frente à dupla norueguesa Kjemperud / Skarlund e determinará a continuidade da equipa em competição. O encontro será às 10 horas locais, 15 horas em Portugal. Boa sorte para a nossa equipa.
Uma selecção Nacional do nosso país entrará hoje em competição, frente à Inglaterra, na Gala Africana de Voleibol a disputar em Casablanca (Marrocos).
Em competição estarão as selecções de Portugal, Inglaterra, Senegal e Marrocos.
Portugal participará com uma equipa mista de cadetes e séniores.

25.7.05

Volei de Praia

Decorreu este fim de semana na praia da Amorosa, em Viana do Castelo, mais uma etapa do campeonato nacional de volei de praia, masculino e feminino.
Nos homens o MIguel Maia a jogar com o Alexandre Afonso (nunca mais acaba este senhor do voleibol), devido à lesão do João Brenha, ganharam sem "espinhas". Não perderam qualquer jogo, vencendo na final a dupla Sandro Correia/Geovan Santos por 2-0 (21-19; 18-21; 15-11).
No 3º lugar ficou a dupla Roberto Reis/Nelson Brízida (curiosamente, treinada pelo Alexandre Afonso) que venceu a dupla Rui Tato/Rui OLiveira por 2-0 (21-19; 21-19).
Nas meninas a melhor dupla nacional da actualidade Sandra Castro/Juliana Antunes venceu na final a Adriana Costa/Ana Macedo sem margem para dúvidas. 2-0 (21-11; 21-15).
No 3º lugar classificou-se a dupla Neusa Reis/Octávia Oliveira que defrontou, e venceu, a dupla Rosa Costa/Joana Ferreira por 2-0 (23-21; 21/18).
Um Caso?
Onde se encontra a dupla feminina de volei de praia, que teve direito a "wild card" para o Open de Espinho, em detrimento das campeãs nacionais?
Grande brincadeira.

22.7.05

Taxas


A circular nº 14 de 30 de Junho de 2005 da FPV, são publicadas as taxas que os clubes devem pagar para inscrever equipas, jogadores, dirigentes, técnicos, etc.
Vejamos:
Taxa de inscrição das equipas:
A1 masculina e feminina 275 Euros
A2 masculina e feminina 255 Euros
2ª Divisão masculina 200 Euros
2ª Divisão Feminina 175 Euros
3ª Divisão 175 Euros
Juniores (Masc. / Fem.) 100 Euros
Juvenis (Mas. / Fem.) 75 Euros
Iniciados (Masc. / Fem.) 50 Euros
Infantis (Masc. / Fem.) 50 Euros

Taxa de Inscrição de treinadores:
A1 Masculina e Feminina 100 Euros cada treinador
A2 Masculina e Feminina 75 Euros
2ª e 3ª Divisão 60 Euros
Juniores e Juvenis 25 Euros
Iniciados e Juvenis 7,5 Euros
Novo cartão de treinador 20 Euros

Taxa de Inscrição por atleta:
A1 Masculina e Feminina 20 Euros
A2 Masculina e Feminina 15 Euros
2ª Divisão Masculina 10 Euros
2ª Divisão Feminina e 3ª Divisão 5 Euros
Juniores e Juvenis 1,5 Euros
Restantes escalões Isentos
Reemissão de licenças 5 Euros

Delegados, Médicos, Massagistas, etc.:
Inscrição 10 Euros
Cartão novo 20 Euros

Pela vinheta de actualização da licença será paga a quantia de 1,50 Euros (mesmo para os isentos)

Arbitragens (por cada jogo):
A1 Masculina 250 Euros
A1 Feminina 200 Euros
A2 Masculina e Feminina 175 Euros
2ª Divisão Masculina 125 Euros
2ª Divisão Feminina e 3ª Divisão 90 Euros
Juniores 10 Euros

Estas são as taxas que os clubes têm que pagar à FPV. Faça as contas quem quiser.

20.7.05

Apuramento Campeonato do Mundo - Japão 2006


Portugal terminou hoje, na Grécia (Larrissa), a sua participação na poule de apuramento para o campeonato do mundo de 2006 que se realiza no próximo ano no Japão.
O apuramento directo não foi conseguido, apesar das boas exibições, particularmente contra a equipa da casa. A equipa nacional perdeu na 2ª feira frente à Grécia (3-2) e ontem frente à Sérvia-Montenegro (3-0). Hoje, ganhou à Turquia (3-0), conseguiu o apuramento para disputar o play-off dos 3ºs classificados, a realizar em Agosto (19 a 21) na Bulgária e, assim, ganhar o cartão de embarque para o Japão.
Boa sorte Portugal.

15.7.05

Open de Espinho

Terminou hoje a participação das duplas portuguesas no Open de Espinho. Uma participação positiva para as duplas portuguesas de volei de praia.
Miguel Maia/João Brenha ficaram em 13º lugar e arrecadaram $4500USA e somaram mais 120 pontos para o Ranking Mundial. Depois de uma derrota frente à dupla suiça (2-1), a vitória que permitia passar à fase seguinte sorriu frente aos australianos(2-1). Nos dois jogos a equipa médica do open teve que assistir João Brenha que se ressentiu de uma lesão contraída à 15 dias atrás. Face às dificuldades do seu colega de equipa o Miguel Maia tomou conta do campo, do jogo e do João e carregou com tudo até à derrota frente à dupla brasileira que ditou o afastamento da competição.


José Pesdrosa/Pedro Rosas terminaram no 17º lugar, arrecadando $3000USA e 80 pontos. Foram afastados pelos, também portugueses, Miguel Maia/João Brenha. Fizeram uma prova muito positiva, ganharam à dupla do Kazaquistão por 2-1 e perderam frente à dupla cubana por 2-0.
Se considerarmos que é o primeiro ano em que esta dupla se junta em equipa, só podemos esperar que no futuro possa assumir lugar de relevo no panorama do volei de prai internacional.


Também pela primeira vez juntos, Nelson Brizida/Roberto Reis fizeram uma brilhante prova. Ficaram no 17º lugar, ganharam $3000USA e 80 pontos. Colegas de equipa no Esmoriz Ginásio Clube, juntaram-se agora na praia com excelentes resultados. Perderam por 2-0 frente aos brasileiros e venceram os canadianos por igual resultado (2-0). No jogo que permitia a continuídade em prova cairam frente aos brasileiros campeões do mundo e olimpicos Emanuel/Ricardo.

7.7.05

Glória


"Não há glória mais perene do que a glória olímpica"
Píndaro

6.7.05

Agora que a época futeboleira inicia

Pouco a pouco um novo tipo de desporto vai-se instalando com armas e bagagens, ao lado das consabidas formas tradicionais....Implanta-se com toda a naturalidade e com o maior desplante do mundo (In "Desporto, Discurso e Substância" de Jorge Olímpio Bento. Edição Campo das Letras).

"O presidente da Agência Mundial Antidoping colocou ontem a Alemanha perante a necessidade de fazer a FIFA cumprir o Código Mundial Antidopagem que subscreveu, sem o que Dick Pound promete apresentar uma queixa ao Comité Olímpico Internacional para anular os resultados do Mundial de futebol, em Junho e Julho de 2006. O que está em causa, é a tabela de sanções: o Código Mundial Antidopagem prevê dois anos de suspensão, com direito a recurso, para os casos mais graves de doping mas a FIFA não castiga para além dos seis meses e não respeita a erradicação em caso de reincidência." In Jonal Ojogo de 06 de Julho de 2005

5.7.05

Exercício da Semana

Um bom exercício para trabalhar defesa e recepção ao serviço.
No treino funciona bem e os atletas gostam de o fazer.
Exige velocidade de execução e agilidade.